Às vezes é preciso partir


Vá! Eu sei que às vezes é preciso partir. Podemos ter razões bem definidas para isso ou simplesmente, como aconteceu com a gente, sem nada que pudéssemos apontar como responsável. As razões nem sempre importam na hora da partida porque, em geral, você vai encontrá-las na estrada. Se quiser, se precisar, pode dizer que a … Continuar lendo Às vezes é preciso partir

Bastou um alô


Esta noite sonhei contigo… E foi tão simples e leve. Era apenas a sua voz através do telefone e ela estava calma, feliz e também acalmou meu coração. Sim, eu tenho algo que não sei explicar, um coração acelerado, uma mente que não para de pensar, uma boca que fala demais. Um pouco disso peguei … Continuar lendo Bastou um alô

Terei de lidar com isso


Cerca de 10 anos separam as duas fotos, alguns meses a mais, alguns meses a menos… A lacuna de uma década entre elas aponta para algo muito intenso: mudanças. Sim, há a mudança física clara, mas essa é pueril perto de outras, ela é impactante e se sobressai logo de cara e, na sequência, perde … Continuar lendo Terei de lidar com isso

A única forma de resistir


Sou uma mala aberta, velha, fácil de se enxergar e entender. Sou muralha de fogo ardente, que brilha forte, impressiona, atrai, mas ao mesmo tempo repele e é intransponível… e basta um pouco de água, de fluidez, para acabar comigo, ou para incandescer-me ainda mais. Sou também dor e isso é impossível de não ser, … Continuar lendo A única forma de resistir

A falácia da onisciência


Como jornalista, sempre passei por um fenômeno interessante. Não importava se eu estivesse atuando na área cultural, indústria de energia, de veículos, de educação ou qualquer outra, sempre havia alguém para me questionar “se eu não estava sabendo” de algo que havia acontecido em um setor totalmente diferente daquele no qual eu atuava. Essa questão, … Continuar lendo A falácia da onisciência

Entre saudades e responsabilidades


Os garotos viraram os homens da casa. Os desesperos são mais intensos, os fracassos batem à porta e precisamos batalhar diariamente. O grande medo é termos pessoas dependendo de nós e não conseguirmos suprir, esta é a grande resolução, tentar equilibrar a vida entre tantas armadilhas e abismos.