Não é sobre faturar, é sobre o que basta

Seus cabelos esvoaçaram de uma maneira que foi difícil de distinguir as cores contra as luzes do clube! Negros, loiros, ruivos, eu não sabia mais. As luzes apenas refletiam naquele turbilhão, naquele furacão que se revelou em uma garota dançando com sua alma, sua intensidade, como se o mundo se resumisse à pista de dança. Sua respiração se confundia com a batida da música, e me tragava a cada movimento. O que mais me atraiu foi o fato dela não fazer nada para me atrair. Ela era apenas ela mesma em cada movimento, em cada palavra gritada contra um teto escuro e infinito, e isso bastava.

Ela estava dançando todas as músicas que tocavam, rindo alto e cantando aquilo que não sabia. Ela fechava os olhos quando dizia as frases, que provavelmente errava, mas eu estava hipnotizado demais para saber. Cada abertura de seus lábios transformava tudo em uma atmosfera especial, como se a pista fosse apenas dela, como se o mundo se resumisse àquela pista, àquela última música – e nunca era a última!

A garota estava embriagada e continuava linda. Aproximei-me, mas notei que ela estava curtindo cada respiração a seu redor como se fosse a última. Ela poderia ter acabado um relacionamento pouco antes de entrar na pista, talvez estivesse indo se casar e esta era a sua última noite solteira.

Apeguei-me a essa ideia.

Não sei bem a qual dessas duas, mas tive a certeza de que ela estava prestes a jogar sua vida no chão. Bebendo, dançando, entregando-se a quem chegasse. Afastei dois ou três homens os quais percebia a intenção má apenas no olhar. Eu já havia decidido desde quando a vi: ela seria minha e de mais ninguém.

Dancei com ela, mas confesso que me esquivei do beijo que tentou me dar. Eu ardia de desejo, de vontade. Queria-a mais que tudo, mais que a vida, mais que a mim mesmo, mas não poderia tocar aqueles lábios sagrados de deusa quando ela estava fora de si. Se eu por inteiro a desejava mais que tudo, mais que tudo a desejava por inteiro meu eu!

Tomei-a em meus braços, totalmente entregue! O clube apenas continuava a tocar a música alta, com luzes coloridas, sem se importar que ela coloria mais que tudo a seu redor.

Peguei-a, mas não como pensam os superficiais, os rasos, aqueles sem merecimento. Uma mulher como essa não se “pega”, não se domina, aprecia-se, ama-se, e devemos nos entregar na mesma medida em que ela se revela e se entrega a nós.

Levei-a para casa! Entrei num local escuro com ela apoiada em mim e sabia que a garota estava à minha mercê, totalmente entregue. O que você faria, rapaz?

Pois te digo o que eu fiz, e grave isto por gerações, para si, para outros, para os vindouros, para que aprendam…

Eu a deixei dormir sozinha, tranquila e linda como era!

Anotei meu número e fui embora…

A diferença entre um homem e um garoto é que o segundo quer faturar, está preocupado com seu prazer imediato e, por isso, perde o prazer de uma vida toda por uma tolice passageira de uma noite insignificante, não percebendo o valor em diamantes que talvez não se revelem lapidados à primeira vista.

Coloque-a na cama, deixe as chaves dela sobre o balcão e dê um beijo em sua testa de despedida. Bata a porta e vá para casa com uma certeza: você é um homem de verdade!

Fora a ressaca, no dia seguinte ela vai ter uma certeza: ela não estava lidando com um moleque.

Não vou dizer que é fácil, é óbvio que queria seu corpo, mas não apenas. Eu a desejo por inteiro e, se não for assim, deixe para outro dia. A pressa mata amores em seu nascedouro.

Espere, respeite, chegue ao outro dia com a cabeça erguida, como um homem! E saiba que, quando seu telefone tocar e ouvir a voz da garota perfeita, aquilo será algo a mais. Devolva a ela a vida que ela jogou no chão e ela saberá que é você, assim como você soube que era ela quando viu aqueles cabelos, aqueles lábios, aquele furacão!

Essa única atitude definiu sua vida, e a dela. Isso é o que basta…

Publicado por

RDS

Jornalista, escritor, metido a poeta e comediante. Adorador de filmes e livros, quem sabe um filósofo desocupado. Romântico incorrigível. Um menino que começou a ter barba. Filho de italianos, mas brasileiro. Emotivo, sarcástico e crítico, mas só às vezes.

Um comentário em “Não é sobre faturar, é sobre o que basta

  1. O verdadeiro homem romântico sabe esperar o momento para ter em seus braços o verdadeiro amor. Parabéns meu escritor predileto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s